Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Same Same But Different

Um blog repleto de ideias, textos, sonhos e aventuras de uma jovem maravilhada com o mundo em seu redor.

Same Same But Different

Um blog repleto de ideias, textos, sonhos e aventuras de uma jovem maravilhada com o mundo em seu redor.

Livre Para Correr

   Tenho andado a publicar menos no blog porque estou a tentar manter-me mais afastada do computador este ano para conseguir ter mais tempo para ler. Desde o início do ano que já terminei dois livros, um dos quais já tinha começado a ler em Setembro mas depois a vontade de continuar perdeu-se.

   O primeiro que li foi o "Livre Para Correr", emprestado pelo namorado. Foi um livro que me abriu muito os olhos e do qual gostei bastante, apesar de haver umas partes muito estranhas. No fundo é um livro introspectivo em que o autor expõem as suas ideias sobre a sociedade de hoje em dia e sobre o facto de não sermos felizes porque vivemos constantemente no passado ou no futuro sem aproveitar o único momento que realmente existe, que é o agora. Fala dos seus trails em Monsanto e também na Serra de Sintra, mas sobretudo do trail de 170km que realizou sozinho na Escócia durante uma semana. Afirma que perdemos completamente o contacto com a Natureza e que é preciso dar alguns passos para trás e perceber que vivemos num mundo de puro consumismo e ilusionismo (e dá um exemplo muito curioso que é o facto das pessoas ficarem mil vezes mais encantadas com uma árvore de Natal toda feita de alumínio e cheia de luzes do que uma árvore simples, pela qual passamos talvez todos os dias).

   Depois terminei o "Nada Menos Que Tudo", que na verdade é uma colectânea de pequenos textos de uma página que vão sempre bater à mesma porta - o erotismo. Gosto dos textos mais soft, mais discretos, mas não gosto daqueles que são explícitos ao ponto de até fazerem doer a alma. No geral foi um livro do qual não gostei, muito ao estilo das Cinquenta Sombras de Grey mas sem nenhuma história por detrás. Fraco em conteúdo, em imaginação, na própria escrita. Enfim, uma desilusão.

   Esta noite vou começar uma espécie de autobiografia do Haruki Murakami, na qual ele expõem também os pensamentos que vai tendo enquanto corre. Cheira-me que me vai agradar.