Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Same Same But Different

Um blog repleto de ideias, textos, sonhos e aventuras de uma jovem maravilhada com o mundo em seu redor.

Same Same But Different

Um blog repleto de ideias, textos, sonhos e aventuras de uma jovem maravilhada com o mundo em seu redor.

O Que Aconteceu?

Dou por mim perdida no último andar do edifício imponente. Raramente ali estive e em ocasião alguma tive vontade de lá permanecer por mais tempo. Mas ali estou, por motivação própria, dando por mim a olhar para os elementos decorativos ali presentes, imaginando aquela vela aromática no centro da nossa mesa de madeira robusta, onde tantas refeições poderíamos partilhar. E aqueles quadros com frases alegres e motivadoras, enfaixados em molduras brancas imaculadas? Quão perfeito ficaria um desses numa parede branca do nosso futuro apartamento? Suspiro ao passar pela zona dos sofás, imaginando intermináveis tardes de domingo enroscados em mantas (e um no outro), a beber chocolate quente e a ver filmes ou a ler. Até os eletrodomésticos, outrora geringonças desprovidas de qualquer interesse que servem apenas para dar asas ao consumismo me fascinam. As camas chamam a minha atenção e um brilho matreiro trespassa-me o olhar ao imaginar as noites em branco que no aconchego daqueles lençóis poderíamos passar, os segredos que eles guardariam, a felicidade que iriam testemunhar. Vejo os utensílios de cozinha com os quais poderias fazer o nosso jantar, já que é uma tarefa que te apraz e para a qual tens jeito. Passo por um estendal da roupa e rio-me. Lembras-te de dizer que se um dia vivêssemos juntos iríamos andar à pancada para ver quem estenderia a roupa? "Capacetes já tenho" disseste. E o sorriso desvanece-se e dá aso a lágrimas de tristeza. O que fizeste comigo, N.? Como é que eu já não sou capaz de passar por uma loja de decorações para a casa e parar para pensar no quão bem ligaram aqueles candeeiros com a cor dos móveis? Que feitiço me lançaste que eu já não sou capaz de ir jantar fora sem me sentir desolada por não te ter à minha frente? O que aconteceu para me recusar a enfrentar o futuro se não te vir nele? Como é que eu penso em ti ao acordar, ao deitar e em todos os minutos entre essas duas acções e depois o meu subconsciente ainda te traz de volta nos meus sonhos? Bolas, quem sou eu desde que te imiscuiste na minha vida sem pensar nas consequências? O que me aconteceu, N.? O que nos foi acontecer?