Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Same Same But Different

Um blog repleto de ideias, textos, sonhos e aventuras de uma jovem maravilhada com o mundo em seu redor.

Same Same But Different

Um blog repleto de ideias, textos, sonhos e aventuras de uma jovem maravilhada com o mundo em seu redor.

Pouco tempo para muita coisa

   O blog tem andado murchinho. Gostava de conseguir publicar todos os dias mas tem sido complicado. Ainda quero falar de Estocolmo relativamente ao cruzeiro e tenho dois textos também para publicar, fora aqueles que começo e ainda não arranjei coragem para terminar.

   Ainda estou a tentar adaptar-me à rotina (ou à desrotina, porque o meu horário é mais variável do que existem dias num ano), tenho os meus treinos para a maratona para realizar, estou a tratar da mudança de propriedade do meu novíssimo Opel Corsa com 15 anos, tenho uma tese para defender no dia 28 e tenho a minha Amora com uma hérnia cervical que me tem afligido muito porque rapidamente se pode tornar numa situação que exija cirurgia à coluna com urgência. Tenho feito maioritariamente noites e sinto que isso me faz perder imenso tempo. Enquanto lá estou, não consigo ser produtiva, mesmo que não tenha nada de especial para fazer, porque bate sempre o sono. Quando chego a casa, por volta das 11h (acabei agora mesmo de vir de um turno noturno), sinto-me um zombie mas tem sido complicado dormir. Às vezes fico na cama até às 17 ou 18h e acabo por só dormir umas três ou quatro. Ou seja, dia praticamente estragado.

   Mas compensa. Ficar sozinha com um animal às portas da morte, que pode entrar em paragem cardiorespiratória a qualquer instante e sair às 10h da manhã com ele um pouco mais estável e confortável enche-me o coração. Não me importo de passar a noite sentada numa cadeira à frente da jaula, a espreitar lá para dentro de cinco em cinco minutos para ver se é necessário dar mais oxigénio. Não me importo de ficar suja de sangue ou vómitos ou diarreia. Não me importo de ter de comer a correr só para não o deixar sem vigilância por muito tempo. Não me importo de ter que desentupir o sistema de soro vinte vezes durante a noite. Não me importo mesmo nada, desde que eles fiquem bem. Nunca me morreu um animal num turno da noite. O dia há-de chegar, é inevitável. Mas hoje não foi.

   Isto tudo para dizer que vou tentar ir publicando coisas por aqui mas que às vezes fica um pouco mais difícil. Vida de adulto, dizem. 

4 comentários

Comentar post