Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Same Same But Different

Um blog repleto de ideias, textos, sonhos e aventuras de uma jovem maravilhada com o mundo em seu redor.

Same Same But Different

Um blog repleto de ideias, textos, sonhos e aventuras de uma jovem maravilhada com o mundo em seu redor.

Saint Tropez

   Como já não ia conhecer uma cidade nova desde o mês passado (ahah), ontem peguei na minha colega Audrey e lá fomos as duas passar o dia a Saint Tropez, que nenhuma de nós conhecia. O sol brilhava mas ainda assim havia um vento gelado que nos fez apressar um pouco o passo pelas ruas da cidade.

   Saint Tropez é, à semelhança de muitas cidades francesas da Côte D'Azur, um refúgio paradisíaco para muitos franceses e estrangeiros durante os meses mais quentes. Não é portanto de espantar que durante o inverno se avistem muito poucas pessoas na rua, metade dos restaurantes e bares estejam fechados e as lojas de recordações tenham avisos na porta a dizer que reabrem lá para Março ou Abril.

   É uma cidade muito simpática, com cores garridas, ruas limpas, uma atmosfera agradável. Bastante diferente do Mónaco. Mesmo em época baixa, nota-se que é uma cidade com muito glamour. A parte antiga de St. Tropez visita-se rapidamente e depois resta o farol, a citadela, da qual se obtêm umas boas vistas sobre a cidade (mas que é a pagar, portanto não entrámos) e a capela de Santa Ana, que fica já algo fora do perímetro urbano e que também permite uma vista agradável. Infelizmente o interior desta última estava fechado e portanto a nossa caminhada de quase 25 minutos até ao campo foi algo infrutífera.

   Para lá optámos por seguir o caminho à beira mar e pudémos descobrir cidades muito agradáveis como Saint Raphael, Fréjus, Sainte Maxime, entre outras. Tinham-nos aconselhado uma paragem em Port Grimaud e foi o que fizémos. Mais uma vez, uma cidade fantasma nestes dias de inverno mas extremamente encantadora. No regresso fomos pela autoestrada, o que nos permitiu poupar bastante tempo.

IMG_20180203_113935.jpg

Port Grimaud - cidade deserta mas linda. Ali ninguém tem carro à porta de casa. Têm antes barcos.

 

st2.jpg

 Vista do lado de fora da citadela

IMG_20180203_123417.jpg

 Pormenor de uma rua da zona antiga. Fez-me lembrar a minha Lisboa!

IMG_20180203_130238.jpg

A famosa marina

IMG_20180203_132501.jpg

Diário de uma Avec #5

   Três meses e meio passaram desde que cheguei a Cannes e sinto que o meu francês melhorou durante este tempo. Tenho alguns clientes que ficam surpreendidos quando lhes digo que sou portuguesa e que me dizem que falo um francês perfeito. No entanto, muitas vezes ainda me faltam palavras, sobretudo as mais técnicas da profissão, que nunca cheguei a aprender no liceu francês e com as quais só tive contacto aqui. De calão ainda entendo pouco. O que vale é que no sul de França se usa menos do que no resto do país e as pessoas tendem a ter um discurso um pouco mais cuidado (pelo menos assim me parece).

   Já dou por mim a falar sozinha em francês e às vezes irrita-me porque quando penso e falo comigo própria deveria fazê-lo na minha língua materna. Por vezes até, e sobretudo a escrever, encontro a palavra pretendida em francês e depois tenho de ir buscar a sua tradução para o português ao fundo da minha mente e é nessas alturas que compreendo o porquê dos emigrantes que cá vivem há dez ou vinte anos já terem tanta dificuldade com a nossa língua. São muitos anos no meio de croissants e baguettes.

   Não acredito que quando o meu contrato de trabalho terminar em Outubro se vá notar alguma diferença na minha forma de falar ou escrever em português, por mais que às vezes só fale cinco minutos por dia e escreva pouco mais do que isso (vá, escrevo um pouco mais). Mas acredito que a dificuldade em achar as palavras certas será cada vez maior e que vou dar por mim muitas vezes a tentar utilizar expressões francesas na minha língua materna que na verdade não fazem sentido.

Changes-to-French-Language.jpg

Cap D'Antibes

   Finalmente chegou uma semana mais light que me permite sair um pouco da rotina e explorar novos locais fora de Cannes, cidade que os meus pés já conhecem de cor (infelizmente as papilas gustativas não podem dizer o mesmo porque o dinheiro para comer fora está escasso). Logo no primeiro mês a viver no sul de França tive a oportunidade de visitar a cidade de Antibes mas não tinha passado pelo Cap D'Antibes, que na verdade é uma espécie de península que se estende sobre o mar, com muitas baías e lugares recônditos e onde existem as villas e as residências mais luxuosas aqui da zona, algumas mesmo com praias privadas.

   Um dos médicos aqui da clínica sugeriu-me há já algum tempo de fazer o Sentier du Litoral, que é um percurso à beira mar de quase duas horas que percorre parte do Cap D'Antibes, sempre com mar à vista. E não houve melhor dia do que uma bonita quarta feira solarenga de inverno para o fazer (nem quero imaginar a multidão que por ali passa no verão). Diz-se que os melhores sítios não vêm nos guias turísticos e cada vez mais acredito nisso. As imagens falam por si.

IMG_20180201_081209.jpg

 O percurso começa na Plage de la Garoupe, com águas cristalinas e zero ondas

IMG_20180201_081740.jpg

 Vai virar, vai virar

IMG_20180131_140416.jpg

O percurso é mais ou menos assim, com algumas variações

IMG_20180131_141307.jpg

Detalhes

IMG_20180131_142525.jpg

 No Verão deve ser óptimo para um refresco! No entanto, é necessário sapatinho adequado

IMG_20180201_084014.jpg

As montanhas cobertas de neve, atrás de Nice, confundem-se com o branco das nuvens do céu

   Nota: algumas fotos foram obviamente editadas. Ando numa de experimentar tudo o que a câmara Leika do meu novo Huawei tem para me dar.

Pág. 2/2