Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Same Same But Different

Um blog repleto de ideias, textos, sonhos e aventuras de uma jovem maravilhada com o mundo em seu redor.

Same Same But Different

Um blog repleto de ideias, textos, sonhos e aventuras de uma jovem maravilhada com o mundo em seu redor.

A Noite

   A noite cai e ela acende a luz, receosa das sombras que a primeira trás consigo. O silêncio arrasta vozes murmuradas que lhe segredam mentiras aos ouvidos. Ela esconde-se, debaixo dos lençóis, e tapa os ouvidos. Por vezes, tenta abafar os sussurros empurrando a almofada de encontro à cabeça, ou então colocando auriculares com música bem alta. Mas assim que ela respira de alívio, as vozes retornam, com mais intensidade, com mais mentiras, pretendendo assustá-la, levá-la à loucura. Falam-lhe da solidão, de como vai ter uma vida sofrida, de como toda a gente de quem ela gosta irá desaparecer, e de como ela ficará para último, para ter uma morte terrível. Há noites em que a desafiam. "Salta, não fazes nada nesse mundo. Deste lado é melhor". Ou então, adivinham os seus pensamentos mais negros e murmuram: "Usa a faca afiada que tens na cozinha. Essa pessoa fez-te mal, não merece viver". E ela enrola-se um pouco mais debaixo dos lençóis, fingindo que nada escuta. No Verão, o calor torna-se sufocante. O cabelo cola-se-lhe à face e o pijama fica encharcado em suor. Às vezes grita, sem perceber se o faz para afastar as vozes, ou para acalmar um pouco a dor das cãibras que a consomem durante longas horas, pela facto de ter os músculos tão contraídos. Uma noite, arrancou tantos cabelos que uma mancha negra se apresentava nos lençóis a seu lado quando a luz da madrugada chegou. Num outro momento, cerrou tanto as mandíbulas que sentiu claramente um dente a rachar. Uma outra vez, achou que não aguentava mais e tentou saltar. Mas quando abriu a janela, percebeu que a manhã surgia e que as vozes haviam desaparecido. Todas as noites, elas tinham algo para lhe sussurrar aos ouvidos, e nunca eram notícias aprazíveis. E todas as noites, aos primeiros raios da madrugada, elas desapareciam, como se nunca tivessem existido, como se fossem um produto da sua mente, como se fossem apenas uma fantasia de um pobre espírito delirante.

Dark-Night.jpg

2 comentários

Comentar post